quinta-feira, 12 de março de 2015

To be or not to be






Começa assim. Você está feliz, seguindo a vida. Tudo está leve, sem sinal de qualquer problema à vista. Acredito que esse seja o principal motivo para ela querer dar o ar da graça. 

Acredito que tenha um faro apurado, sem possibilidades de ser enganada facilmente. Sim, no início, chega bem devagar, comendo pelas beiradas igual mineiro. 

Como forma de pergunta, eis que ela chega e não quer mais ir embora. Pronto, está garantido que mais uma vitima foi contaminada.

E sua mente não para, de tempos em tempos lá vem a bendita da pergunta.

Em frente ao espelho:
- Acho que engordei. Aí, essa gordurinha não estava aqui. Ah não! Isso é um pneu.

Encontro com os vizinhos no corredor:
- Nossa, o filho do vizinho é tão educado, não faz bagunça, nem fala alto. Será que estou criando bem o meu filho?

Pensando sobre o novo pretendente:
- Tem um dia que ele não liga. Faz uma semana que ela não liga. Não atende mais minhas ligações. Ai! O que eu fiz dessa vez.

Na escola
- Eu não vou conseguir apresentar isso. É muita coisa. Isso não tem nada a ver comigo. Escolhi o curso errado, tenho certeza.

No trabalho:
- Meu Deus! Já trabalho aqui há 5 anos e nada de promoção. Acho que não vai rolar, vou trabalhar a vida inteira neste setor.

Estes aí acima são só alguns exemplos de situações que demonstram que ela chegou, veio forte e não quer te abandonar tão cedo.

As imagens coloridas, o sol brilhante, os sorrisos começam a desaparecer do nosso dia de uma vez.

Sim, ela é conhecida como insegurança. É uma cretina que nos faz perder, deixar de almejar e conquistar muitas coisas na vida. Com ela vem o medo, a auto condenação, a baixa autoestima.

Então, corremos em busca do kit salva vidas: chocolate, chocolate e mais chocolate. Vivemos nossa fossa no maior estilo prostração.

E dependendo da força interna que nos resta, depois do que foi roubado por esta sanguessuga, vamos tentar atingi-la em cheio. Isso mesmo, nada de abraçá-la para sempre. Existe um fundo do poço, mas também existe o lugar ao sol. 

E lá vai, mais uma vez, vamos tentar abandonar esta tristeza toda, essa enxurrada de questionamentos. Com ajuda ou sem. Vamos saindo pouco a pouco deste estado de tristeza crônica. 

E a força vai chegando aos poucos, e vamos nos reerguendo com esperança. Tudo vai melhorar. Não vai?

A trágica história de Hamlet - William Shakespere 

Nenhum comentário:

Postar um comentário