domingo, 2 de abril de 2017

Não sou o que fui, mas sou. Sim, eu sou

Assim como os lugares, as fotografias jamais poderão ser iguais. O momento captado não pode, sem dúvida, ser idêntico. Alguns não estarão mais, outros vão estar com os cabelos mais brancos, com a alma mais pesada. 

Árvores crescem :), rios desaparecem :(, pessoas vem e vão, dias intercalam luz e sombra. Cenários são substituídos. E só conseguimos ver quando passamos muito tempo sem ver ou encontrar. 

Em nossa jornada muita coisa nos transforma. Somos eternos mutantes e dia após dia somos transformados. E nossa bagagem nos faz seres mais fortes, mais experientes. 

Não sofremos tanto, não choramos por besteira. Somos mais forte. Ou passamos por tal. Não sou o que fui, mas sou. Sei com tanta certeza, com uma força tamanha. Sim, eu sou. E ninguém poderá dizer o contrário. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário